Dois minutos para pensar nos desejos

É o dia do casamento da amiga. A maquiagem e o cabelo estão intocáveis. O zíper do vestido sobe a duras penas. A meia calça pinica a não mais poder. E antes de encerrar os pés na inclemência de um salto alto, é o momento dos adereços. Brincos, de um lado e do outro. Cordão e? E você notou que tem uma daquelas fitas de Senhor do Bonfim no pulso. Não é pequena, não é disfarçável e não combina com o traje “fino”. E agora? Arrebentar ou não a pulseira? Como ficam os pedidos?

Pois bem, esse é um caso típico onde a crença fica no limite. Há quem logo arrebente, há quem vá com a fita, afinal, é só mais um casamento. Na atualidade eu carrego no pulso duas dessas fitas, de cores bonitas, porém nada fáceis: uma roxa e uma rosa pink. Sim, é muita fita pra um só pulso, mas a proporção é mais ou menos essa, pois eu tenho muitos desejos para pouca vida.

Dia desses minha afilhada me passou o scan de sempre. Desconfio que ela me acha um ET. E talvez ela não seja a única a alimentar tal crença. O fato é que ela me perguntou para quê duas fitas no braço. Eu respondi para ela que era uma lembrança de amigos, que visitaram a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim. Coloca-se a pulseira no pulso e para cada nó se faz um pedido. Os olhos da criança brilharam. Quando eu pensei que ela iria me pedir uma fita, ela me atirou: e quais foram os seus pedidos? Fiquei sem reação! Depois de uns segundos hesitante, expliquei que se os pedidos fossem revelados não seriam realizados. Não satisfeita ela insistiu: tem duas fitas e um monte de nós, algum já realizou? Novamente eu paralisada com a argúcia investigativa, o FBI precisa se valer do potencial da criatura.

A pergunta me deixou encrencada comigo. Eu não lembro dos pedidos. Ok, pra não passar como mentirosa, eu lembro apenas de um dos pedidos, e ele realmente foi realizado. Portanto, nem cogito arrebentar as fitas. Deixarei-as quietas até arrebentarem, e já estou satisfeita. A moral do relato é que pedimos tanto que sequer temos tempo pra contemplar a graça que alcançamos!

Recentemente o destino me pregou uma peça. Arquitetou uma oportunidade muito objetiva que eu iria deixar passar por preguiça, falta de tempo, falta de interesse e a desculpa mais que eu pudesse dar. Um belo dia o estalo. Tudo estava desenhado absolutamente conforme eu desejei, quatro anos antes. Sou só gratidão! E claro, toda dávida merece retribuição.

Comentários

Isabela Lennon disse…
Parabéns por ter reconhecido o seu desejo sendo realizado! Acredito que quando temos bons pensamentos e acreditamos na vida, tudo de bom pode acontecer.

Adoro o jeito como você escreve =)


Beijos
Cames disse…
Acho que anda me faltando fé.
A crença, a fé, a esperança, a ideologia. Acredito que ambas impulsionam a humanidade para o bem. Portanto, é bem provável que falte issso a grande maioria.
Vou estar próxima ao Rio entre a última semana do ano e a primeira de 2012.
Vamos tomar um café?

Postagens mais visitadas deste blog

Terra Selvagem

Tirania, autoritarismo ou despotismo