Francis Ha




O cinema faz sonhar. E o que dizer do cinema que retrata a vida de quem sonha? Este é o caso de Francis Ha, uma jovem que sonha enquanto vive, ou vive enquanto sonha. Seu desejo é levar a vida dançando e dividir apartamento indeterminadamente com uma amiga.

Dos tropeços de Francis, dança abaixo da graça e eficiência de um profissional e confia que a afinidade com a amiga se sobrepõe aos casos amorosos. Conforme a vida segue, os sonhos vão ruindo. E o trunfo de Francis é a capacidade de projetar seus sonhos para os amigos e familiares enquanto amarga uma dura realidade.

O essência do filme é juntar em uma personagem um pouco do que habita em todos nós e nos lança no mundo, devidamente salpicado com o que na modernidade nos aflige. E no hiato entre as expectativas e a realidade Francis amadurece, contudo, sem perder o charme naïf, que pela poesia do diretor vai criar o título do filme.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terra Selvagem

Tirania, autoritarismo ou despotismo