Nova Praça Mauá - 11 de Setembro de 2015




A inauguração da nova Praça Mauá seria apenas mais uma inauguração de uma praça, não estivesse a Praça Mauá inserida em um perímetro estratégico. Trata-se da entrega de um dos pontos atrativos da Operação Urbana Consorciada Porto Maravilha, reforçando a posição do Rio de Janeiro entre as grandes cidades da economia mundial.

Descrevendo o cenário, a praça Mauá é uma área de convergência entre o Pier Mauá, o prédio RB1, o edifício da antiga Rádio Nacional, a dúbia edificação do Museu de Arte Rio, com seu sugestivo nome MAR, e a ainda inacabada estrutura nababesca do contraditório Museu do Amanhã.

Avançando anos sob a indiferença do poder público, um terminal rodoviário, transeuntes e sujeira compunham a paisagem da Praça Mauá. Abaixo o terminal, modificação de canteiros, avanço de explanada e aparelhamento com bancos, iluminação, trilhos do VLT, sinalizações e até policiamento, eis a nova Praça Mauá.

E para tornar o evento um acontecimento não faltaram atrativos. No MAR exposições que dialogavam sobre a transformação do Rio de Janeiro. no Pier Mauá o RioArt, uma feira condensando exposições, galerias, artistas e tendências do mundo da arte e do design. Espalhados entre o Pier Mauá, o MAR e a praça Mauá, food truckers que se tornaram a sensação da cidade. E explorando a área, a praça foi palco para o Visualismo, um festival de arte urbana e tecnologia que promove intervenções em pontos variados da cidade.

Praça cheia, música alta e luzes em movimento para todos os lados, de cores variadas, intercaladas com projeções nas fachada dos prédios ao redor. Pessoas chegando de bicicleta, crianças circulando e todos com celulares e câmeras em punho, em busca dos melhores ângulos.

Entre a Praça Mauá e o Museu do Amanhã foi posicionada a hastag #CidadeOlimpica, com cerca de dois metros de altura por 25 metros de largura, com holofotes de baixo para cima para dar destaque e profundidade, favorecendo as fotos do local, no intuito de que a população propagasse essa imagem para o mundo.

O local foi incorporado pela Prefeitura, e nele construído um cenário perfeito, abrigando possibilidades de experiências urbanas intencionalmente surpreendentes. Mas o controle dos planejadores desse espetáculo não dão conta da astúcia da população na apropriação e usos dos espaços públicos.

Um exemplo clássico são os bancos, com um design arrojado, com pé (ou base) projetado em apenas um lado. A ideia básica devia ser para o assento, mas os skatistas enxergam como um objeto que auxilia suas manobras, embora a fiscalização iniba a prática.

O mesmo controle não funcionou para as crianças que se empenhavam em bicar os refletores da hastag #CidadeOlimpica. E a noite, para que a hastag não ficasse literalmente apagada, alguns técnicos precisaram trabalhar. Consertaram e enterraram os spots de luz para minimizar os imprevistos.

E a medida da irreverência da população ficou por conta do uso da hastag. Ao invés de fotografarem a hastag na íntegra, exibindo a estrutura do Museu do Amanhã ao fundo, a população disputava as quatro últimas letras para o enquadramento da palavra PICA. E assim o Rio de Janeiro com a inauguração da Praça Mauá foi para as redes sociais!






03 Blocos de 5 pavimentos (120 apartamentos) 04 Blocos de 4 pavimentos (128 apartamentos) sendo 10 apartamentos adaptados para PNE 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tirania, autoritarismo ou despotismo

Assisti Clube da Luta, Vinicius